Esgotamento

Quando, há vários meses atrás, a médica me diagnosticou com este problema, pensei que não era tão mau assim, que ela estava a exagerar. Eu apenas andava um pouco mais cansada do que o normal e era só isso. Era só um cansaço extremo. Sim, a exaustão faz parte, mas não é só. 

Custei a aceitar este diagnóstico, mas depois que interiorizei que estava mesmo doente, comecei a perceber a verdadeira dimensão do problema e, ao mesmo tempo, a ver uma luz ao fundo túnel. Sabia que ia demorar a tratar-me, mas também sabia que não era impossível. Passa-se por muitos altos e baixos, há alturas em que desanimamos e achamos que vamos andar sempre assim, uns dias bem e outros dias completamente de rastos, foi necessário recorrer à medicação, sobretudo para dormir e obrigar o corpo e a mente a relaxar e a descansar, mas, se não se perder o foco, consegue-se chegar à meta. Demora o seu tempo, é certo, no entanto, chega-se lá. 



Não fiz segredo da doença, mas achei melhor não contar a conhecidos, e alguns amigos até, o que se estava a passar comigo. O esgotamento é, ainda, uma doença pouco compreendida e cheguei a sentir isso na pele. Chegaram a dizer-me que isto era uma frescura minha, algo de quem não tinha o que fazer, porque estar em casa não me fazia ficar cansada e sem tempo para insónias. Ora depois de tais palavras, remeti-me ao silêncio e guardei o meu problema para mim e para quem de direito. Mais ninguém tem conhecimento. Para quê? Nesta fase, tudo o que eu preciso é de tranquilidade, não de chatices. Dar crédito a quem ainda considera que trabalhar a partir de casa não é um trabalho a sério (sou revisora linguística freelancer) e que algumas doenças são manias? Não, muito obrigada. Tenho que estar focada em coisas boas, não em parvoíces. E agora que estou no bom caminho, quase à chegar à meta desejada, não quero desvios. 

5 comentários:

  1. Parece-me que é uma doença que ainda é muito mal compreendida por parte das pessoas. "AI, coitadinha, anda cansada... Mas quem não anda?!" - pensa muita gente quando sabe desta ou daquela pessoa a quem se diagnosticou um esgotamento.
    Mas na verdade, é um problema que afeta cada vez mais pessoas e ainda bem que no teu caso, aceitaste e puseste pés ao caminho para dar a volta à situação. Confesso que este ano, já passei por fases em que senti que estava no borderline. Em que achei que poderia estar a dar passos largos em direção a um esgotamento. Mas tive ajuda do meu psicólogo e do meu marido que me souberam dizer as palavras certas nos momentos certos. Não há receitas milagrosas para uma pessoa se sentir bem. E sobretudo não há receitas milagrosas para tratar de pessoas que por vezes andam à nossa volta e que são tão tóxicas...

    O mais importante é fazer ouvidos moucos a certas frases e pessoas. E o mais importante és tu. Tu.

    ResponderEliminar
  2. Eu percebo que as pessoas não entendam as doenças do foro psicológico, eu própria não sei grande coisa sobre isso mas não entendo a desvalorização que fazem. Por vezes tentamos relativizar numa tentativa de ajudar, eu própria já fiz isso até compreender que não é a dizer "isso depois passa" que ajudamos mas sim estando lá para apoiar.
    Mas claro que também há sempre as pessoas que são apenas más, e é uma pena que nestas alturas difíceis é quando percebemos quem temos a mais na nossa vida mas mais tarde acaba por ser uma coisa boa.
    Já me pus a divagar por aqui ahaha.
    Muita força!

    ResponderEliminar
  3. Problemas do foro psicológico tendem a ser desvalorizadas. Mas muitos problemas tanto podem ser difíceis para o doente como para quem cuida. É complicado, só quem sofre do problema ou lida diariamente com as pessoas é que sabe o problema que é.

    Força*

    ResponderEliminar
  4. A Pimenta: obrigada pelas palavras. :)
    Beijinhos

    ***

    Emma: podes divagar à vontade!
    Obrigada pelas palavras.

    beijinhos

    ***

    Sonhadora: sim, também é verdade. :)
    Obrigada pelas palavras.

    Beijinhos

    ***

    ResponderEliminar
  5. Li, agora mesmo, esta frase no instagram da "Mãe já vai":
    "People who love you, want you to be happy. There are no exceptions" by Angie C.
    Gosto. E aplica-se mesmo ao que falamos. Só interessa quem gosta de nós, os outros? "Vozes de burro, não chegam ao Céu!"
    Um beijinho de força :)

    ResponderEliminar

Hi there!

*Leave joy, take joy.* ;)