A vida é muito frágil

Nada que eu já não saiba. Mas estou constantemente a ser lembrada disso. Num minuto estamos a sorrir, no outro já estamos de lágrimas nos olhos. As coisas acontecem, os problemas surgem, as pessoas desentendem-se... A vida coloca-nos nas mãos coisas sérias para resolvermos... Enquanto isso, perdemos a vontade de sorrir. A tristeza assombra-nos e as lágrimas assaltam-nos os olhos a todo o momento... 

Tudo passa. Nada dura para sempre, nem mesmo estas nuvens cinzentas que agora pairam no nosso céu. Há solução para tudo, menos para a morte, e até com essa teremos que um dia aprender a lidar, quer queiramos, quer não. É só uma fase, mais uma para juntar à coleção das que já ultrapassei, mesmo contra a minha vontade. O sol vai voltar a brilhar. Até lá, parece que carrego o mundo às costas, mas no fim estarei mais forte. 


Estava aqui a lembrar-me...

Porque tenho um blogue. 


Confesso que nestes últimos dias já me apeteceu terminar com ele um sem número de vezes. Porque não tenho tempo, porque não tenho nada de interessante para dizer, porque ninguém lê, porque ninguém gosta... Enfim! Acho que me passaram pela cabeça variadíssimas razões para desistir deste caderno virtual. Mas não. Cá estou. E pretendo continuar, obviamente. Porque gosto, porque - mesmo que não tenha nada de muito interessante para dizer - é o meu escape, e porque - como diz na imagem - não se guardam as palavras, no caso, escrevo-as para não me sufocarem.    

O M quer um irmão


Há já algumas semanas que o M me anda a dizer que quer um mano. 

- Quando o meu mano chegar, mãe, ele vai poder usar a minha cama de bebé, não vai? E vestir aquela roupa que já foi minha?

- Quando tiver um mano ele vai ter brinquedos de bebé. Eu não, que eu já sou crescido... 

Entre outras frases várias em que a palavra mano surge sempre. 

- E se for uma mana, M? Sabes que também pode ser uma mana e é giro na mesma ter uma mana... 
- Não. Tem que ser um mano. 
- Mas não dá para escolher... 
- Dá, dá, que eu já escolhi e falei com a Sra Cegonha... 

Tanta imaginação que este meu filho tem... Pelo menos ainda não começou a fazer aquelas perguntas mais difíceis de responder... Porque para ele é muito simples, só quer um irmão. Um mano. 


Tenho pensado nisso. Muito mesmo. E chego sempre à mesma conclusão: ainda não estou preparada para um segundo filho. Se perguntarem as razões, não sei responder. Só acho que esta não é a altura. Ou que eu não estou à altura. Tenho receio, por causa do esgotamento, acho que não vou conseguir dar conta do recado. Não sei... Acho que estou à espera de sentir aquele "clique" como aconteceu quando comecei a pensar engravidar pela primeira vez. E ainda não senti isso... 

Por outro lado, esta era a altura ideal. Ele tem 4, eu 36, o pai 40... Isto se quisermos colocar a idade na balança, porque se formos a ver, conta bastante. E o M já não é tão dependente (falando de biberões, fraldas, desfralde, e outras coisas do género). 

E, claro, sempre quisemos ter mais filhos. Sempre falamos em sermos uma família de 4, no mínimo. O pai, por ele, já tinha sido... Eu é que estou a pôr um travão no assunto. Tenho que me sentir preparada. Mas nem sei se haverá a preparação certa... 

Para este fim de semana...


Frio lá fora. E chuva. 
O calor da lareira. Mantas quentinhas e o conforto do sofá. 
Cappuccinno para acompanhar aquela série. 
Família. Momentos simples para aproveitar. 

Ainda venho a tempo?

De dar as boas-vindas a 2019 aqui no blogue? 

Não vou dar uma grande novidade, é mais do mesmo, mas é a verdade: os meus dias têm sido tão corridos que não tenho tido tempo de olhar para o lado. Pensei que a época festiva que já passou fosse ser mais calma para mim, mas não, pelo contrário, andei sempre a contar os minutos. Ufa (longo suspiro)... Espero que os próximos dias sejam mais calmos e eu consiga sentar-me tranquilamente em frente ao computador e dedicar algum tempo a este espaço que tanto gosto. Aliás, essa foi uma das resoluções para este ano que já entrou. Eu, que não sou de estabelecer decisões de ano novo, desta vez fiz uma pequena lista de coisas que quero melhorar este ano.

Para que fique registado:

🌷 conseguir organizar-me melhor, de forma a ter mais tempo para mim, para os meus, e para o que mais gosto de fazer (o blogue está incluído). Eu, que sempre me considerei uma pessoa bem organizada e metódica, não tenho conseguido sê-lo. Sinto que o tempo foge-me por entre as mãos, em parte por culpa minha, por não estar a saber organizar o meu tempo. Sei que posso melhorar e esse é o objetivo para este ano; 

🌷 ler. Podia dizer ler mais, mas a verdade é que não tenho lido nada. Nada! Bem tenho o mesmo livro há séculos na mesa de cabeceira, mas se li duas linhas foi muito. É certo que leio muito durante o dia - como revisora - e muitas vezes chego ao fim do dia nem quero ver letras à frente, porém, tenho saudades de pegar num livro e sentir o entusiasmo de seguir uma história. E são tantos os livros na minha wishlist

🌷 desligar as redes sociais à noite. Assim que me sento no sofá já pronta para relaxar um pouco depois da azáfama do dia, dou por mim a consultar as minhas redes sociais sem parar. Praticamente até ir dormir. Ora, acho que estou errada. Penso que posso aproveitar esses minutos para ler, ver uma série, fazer outra coisa qualquer... e só voltar a pegar no telemóvel no dia seguinte. Será que vou conseguir? Não é impossível e não custa tentar. Se calhar até vou estabelecer uma hora. Às 21h as redes sociais ficam offline

Tenho mais dois itens na minha lista, mas esses ficam só para mim. São resoluções muito pessoais, que nem às paredes contei. 😉

Agora, mãos à obra! Em 3... 2... 1!