Ausência justificada

Tenho estado mais ausente, como se pode constatar. Mas tem uma boa justificação. 

Como sabem, há já algum tempo que tenho vindo a tratar um esgotamento. E isso requer bastante descanso. Como freelancer, não posso dar-me ao luxo de simplesmente deixar de trabalhar, portanto tenho dividido o meu tempo entre o trabalho e o descanso. Custa-me recusar trabalho, mas é por uma boa causa e é temporário. Afinal a saúde está em primeiro lugar. 

É por isso que tenho, também, estado mais ausente do blogue e não sou presença assídua nas redes sociais. Praticamente não tenho comentado, escrevo muito pouco, partilho pouca coisa no instagram. Não é por falta de vontade. Acontece que, muitas vezes, ao fim de algumas horas a trabalhar em frente ao computador, já não consigo estar mais cinco minutos em frente a um ecrã. A médica limitou-me esse tempo, x horas por dia e não mais do que isso, e uso-o para trabalhar. Tem que ser. Mais do que isso e o cansaço acusa-se, e as dores de cabeça ameaçam aparecer. 

Não sei quanto tempo mais vou estar assim. Será até estar totalmente recuperada, certamente. E apesar de começar agora a sentir-me melhor, a verdade é que não posso esticar a corda e não devo abusar. Ainda não estou a 100% e não quero voltar à estaca zero (já tive alguns recuos, não pretendo ter mais). 

Em breve vou estar de férias e o descanso será quase total. E vou aproveitar para por em prática as mudanças que tenho planeadas e cuidar de mim com toda a atenção que é necessária. Quero voltar ao que Eu era em breve e com toda a energia reposta. Me aguardem! 😉


Não é que seja muito importante...

Mas apeteceu-me partilhar, até para mudar o assunto do blogue um bocadinho. 

Fui aos saldos. E... Mais valia ter ficado em casa a comer pipocas enquanto assistia a mais um episódio de Suits. Ou a passar a roupa a ferro... Enfim... Estes são os piores saldos de sempre. Não se aproveita na-di-nha. 

Ah! É impressão minha ou a qualidade da roupa piora nesta época? É o que parece. Que fazem roupa propositadamente para os saldos mas com péssima confeção. Que desilusão! 

Pronto, era só isto. O blogue volta em seguida com a sua programação normal. 

Mudanças e mais mudanças

Acho que todos passamos por fases de mudança na nossa vida. Mais do que uma vez. Mau seria se fossemos sempre os mesmos e não mudássemos nadinha de nada à medida que o tempo vai avançando. A verdade é que vida e as suas circunstâncias mudam-nos sempre um pouco. 

Com tudo o que me tem acontecido, estou novamente numa dessas fases. Apetece-me mudar tudo, dar uma volta de 180º à minha vida. E quando digo tudo, é mesmo tudo... 

A verdade é que a minha vida tem mesmo de mudar. Não posso continuar assim, a sentir-me no fundo do poço e sem nada fazer para sair de lá. Porém o interior não consigo mudar de um dia para o outro, tem que ser de forma gradual. Mas estou a trabalhar para isso, de forma bem árdua. 

Como qualquer início de uma mudança tem que ser assinalada (não tem, mas eu gosto de pensar que sim), apostei numa mudança de exterior. Não sei o que me deu, não sou nada radical, mas acho que precisava, como espécie de lembrete: está na hora de agir. Cortei o cabelo bem curto (já não me lembro da última vez que o usei assim - acho que só em miúda), escureci-o, e passei a aceitar os meus pseudo caracóis, as minhas ondas. Guardei a prancha do cabelo e apostei nos cremes de pentear para potenciar o cabelo ondulado. 

E agora, sempre que me vejo ao espelho (e quase não me reconheço - estou a habituar-me), lembro-me sempre: a mudança é agora. É só continuar a trabalhar para isso. 


A pergunta que se impõe...


Como é que eu saio deste "buraco" onde me enfiei sem desejar?!

Isto é de doidos...

Acordas a chorar... Sentes-te completamente sozinha... Pensas em ligar a alguém mas as tuas escassas hipóteses não vou poder atender porque estão dentro do horário de trabalho. Se ligares ao marido ele vai largar tudo o que está a fazer e não queres isso... E depois, nem sabias o que lhe ias dizer porque, honestamente, nem tu sabes porque andas sempre a chorar... Desistes de falar com quem quer que seja, pois ninguém te ia compreender. Nem tu te entendes, nem consegues encontrar as palavras certas para te fazeres entender. Os teus sentimentos são confusos... 

Secas as lágrimas porque o teu filho acabou de acordar e não queres que te veja assim... 

Segues com o teu dia a fingir que está tudo bem e que nada aconteceu logo pela manhã... 

Às vezes sinto que estou a tornar-me bipolar... Sou uma completa estranha para mim mesma... 

Continuo por aqui...

Estou viva, não desapareci, e estou bem, dentro de toda esta situação. Estou a tentar encontrar o meu caminho, o meu ponto de equilíbrio e a tentar recompor-me (uma vez mais). A vida é mesmo assim, com altos e baixos, com dias bons e menos bons, com pedras no caminho que estou a tentar arrumar.


Estou a dever-vos dezenas de comentários, visitas mais regulares aos vossos blogues que tanto gosto de acompanhar. E também tinha prometido a mim mesma que ia voltar a escrever mais, mas a verdade é que não tenho conseguido e, para dizer a verdade, também nem sempre me apetece. É uma fase... Eu sei que é... E não tarda vou voltar a todo o vapor.