19 de junho de 2017

Odeio o calor!

E não o odeio porque me faz doer as pernas, não me deixa dormir ou porque me suga a energia. Odeio porque todos os anos é a mesma coisa. O calor aparece e com ele surgem os incêndios. Com as temperaturas como as que se fazem sentir é muito mais fácil o fogo propagar-se, é muito mais fácil a terra ficar semelhante a um inferno. 

Este ano odeio ainda mais o calor. Porque nunca mais me vou esquecer do incêndio que ainda não está controlado de Pedrógão Grande. Da tragédia e da dor que ele está a provocar. As notícias que vou ouvindo e lendo ocupam a minha cabeça. Durante a noite acordei várias vezes sobressaltada a com o eco das testemunhas que tinha ouvido durante o dia na minha mente. Que angústia... Que terror! Não consigo sequer imaginar o que aquelas pessoas viveram e estão a viver... O coração aperta-se, forma-se um nó na garganta... 






Eu sei que não se pode culpar só o calor... Mas não quero entrar por esse caminho. As críticas agora não resolvem nada. O importante agora é ajudar com o que for possível. 


Como ajudar: 

1 - A Caixa Geral de Depósitos associa-se com profundo pesar ao momento difícil por que estão a passar as vítimas do incêndio que deflagrou ontem em Pedrógão Grande e se estendeu a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra.

A todos os cidadãos que pretendam, como nós, num gesto de solidariedade e cidadania ajudar as vítimas desta tragédia, deixamos aqui a conta de solidariedade que foi aberta para o efeito e na qual a Caixa depositou já a sua contribuição de 50.000 euros.

CONTA SOLIDÁRIA CAIXA
IBAN: PT50 0035 0001 00100000 330 4


2 - Um Abraço a Portugal é uma linha solidária da SIC de apoio às vítimas dos incêndios. Ao ligar 760 100 100, estará a contribuir com €0,60. Juntos vamos dar um abraço a Portugal.

Preço/chamada: 0,60€+IVA; com o apoio MEO, NOS e Vodafone. Esta é uma linha que reverte totalmente a favor das vítimas dos incêndios em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.



Estas são só duas das formas de ajuda às vítimas dos incêndios. Há mais, é só pesquisarem e perguntarem no quartel dos bombeiros mais próximo o que podem fazer. O importante é contribuir com o que puderem e ajudar neste momento tão complicado.

Eu já fiz a minha parte. 

Sem comentários: