21 de novembro de 2017

Não!

Cá por casa, andamos na fase do não...



- M, vamos vestir para ir para escola!
- Não! 
- Anda comer!
- Não! 
- Já acabaste de brincar com os legos? Então coloca-os no cesto!
- Não! 
- O que fizeste hoje na escola? 
- Não sei.
[Pelo menos não disse apenas não...]
- A R. hoje fez anos, cantaste-lhe os parabéns? 
- Não... 
-Vamos tomar banho!
- Não! 
- Coloca o chapéu!
- Não! 
- Está na hora de ir dormir... 
- Não, não. Não, não está! 

E podia continuar... Mas já deu para perceber que o "não" tem sido a palavra preferida do M...

Como lidar sem perder a paciência na maioria das vezes? Uff... Não sei... 

17 de novembro de 2017

"Crie um blog", disse-me ela...


Numa das minhas últimas consultas, a minha médica dizia-me que devia falar mais dos meus sentimentos. Verbalizá-los e não guardar tudo para mim porque via-se que era algo que acabava por me fazer mal. Ora, uma vez que não me sinto à vontade para falar de tudo o que me vai na alma com as pessoas (mesmo em quem confio), sugeriu que escrevesse. "Escrever vai limpar-lhe a alma e a cabeça", dizia-me a médica. E surge a ideia do blogue porque, segundo ela, num caderno que ninguém vai ler, não faz muito sentido. Era melhor uma espécie de caderno virtual, por exemplo, onde possa surgir alguma troca de ideias, de partilhas, de perspectivas de vida diferentes, quem sabe com quem passa uma fase semelhante à minha, ou já passou... O objetivo é por-me a "falar" e se encontrar alguém disposto a "ouvir-me" e a trocar ideias comigo, melhor. 

Bom, o blogue já está criado, como se pode ver, e há muito que escrevo em cadernos virtuais como forma de escape... Só tive vergonha de o dizer, não fosse ela querer saber qual é o blogue... 

Resta-me, por fim, escrever mais, e mais sobre o que vai cá dentro. Confesso que com tudo o que tem acontecido nos últimos meses, perdi um pouco a vontade de desabafar em textos mais ou menos longos. Vou usando imagens, frases, que na maioria das vezes só eu percebo o que querem transmitir. Se calhar, deveria usar mais palavras minhas. Talvez me faça sentir mais leve... 

Acho que está na hora de perder o medo de dizer em voz alta como me sinto... Medo esse que nunca percebi como o ganhei...